domingo, 4 de setembro de 2011

...e tudo acontece...Dias do Pedro - Parte 1

Todo dia é uma surpresa, todo dia a história é diferente. Mesmo que continue a mesma.
Teve dias que eu achei que não conseguiria, precisava de ajuda, mas tem coisas que só eu posso fazer. Se o Pedro passa por isso com um sorriso, não posso me dar o luxo de chorar. Até pra chorar eu preciso ter hora. Preciso estar sozinha, não posso deixar meu filho ver meus momentos de fraqueza. E chorar a qualquer hora se torna um luxo.
Após a primeira internação do Pedro, ele precisava colher sangue duas vezes na semana, e no dia posterior ao exame ele precisava puncionar uma veia pra receber quimioterapia (2x na semana )  Após a primeira semana, o Pedro não tinha mais acesso, estava insuportável, ele era "furado" até 18 vezes num mesmo dia pra que conseguissem encontrar uma veia, era muito difícil pra ele e pra mim.
O Pedro precisava urgente de um cateter mas não tinha vaga no centro cirúrgico. Acho que de tudo que passamos aquelas três semanas sem cateter foram as mais dolorosas. Minha vontade era de pegar meu filho no colo e sumir.
Ainda consigo ver ele olhando pra mim com os olhinhos cheios de lágrimas, fazendo não com a cabeça e me implorando pra que não deixassem machucá-lo. E a coisa mais difícil que eu já fiz na minha vida foi ter que ignorar ,com o coração sangrando, o pedido de ajuda do meu filhinho.
Foi impossível não deixar o desespero tomar conta, o nervosismo, a dor, a angustia, os questionamentos...por que isso com meu filho?
As pessoas responsáveis pela coleta do exame do Pedro começaram a se negar a colher as amostra, uma das médicas chegou a dizer que aquilo não era coleta era tortura.
Quando eu pegava o Pedro no colo para ele se acalmar, ele me abraçava muito forte, os olhinhos dele já estavam inchados de tanto chorar. Ele achava que eu não deixaria mais que o machucassem, mas era questão de tempo, eram horas no entra e sai da sala de procedimento. Por mais que eu não quisesse aquilo era necessário. Ele precisava do medicamento.
Eu comecei a pedir ajuda a quem eu podia, quem eu conhecia...e chorei, chorei muito trancada no banheiro. Ajoelhei e implorei a Deus que cessasse o sofrimento do meu filhinho.
Se Deus nos dá até onde podemos suportar, eu suportava aquela situação até ali...não tinha forças pra continuar aquilo.
O Pedro estava cheio de hematomas, nos bracinhos, nas mãos, nos pés e tornozelos, até os dedinhos dele tinham sido furados.
Então no dia seguinte, a enfermeira Roberta, nos deu a noticia, o Pedro iria colocar o cateter...
Aleluia, agradeci muito a Deus e a todos que me ajudaram, mas antes de colocar cateter ele precisaria colher exames pré cirúrgico...era mais um dia de muita dor.
E foi num domingo que o Pedro iria internar pra na segunda pela manhã fazer a cirurgia...Foram 21 tentativas e 5 horas até conseguir colher 15 ml de sangue. Foi um dos piores dias, mas certamente o mais doloroso.
Na segunda, o Pedro estava em dieta zero, mas muito bem disposto...parecia que nada havia acontecido, ele estava muito bem e feliz...mais uma vez ele surpreende. E sempre com aquele sorrisão.
Passamos a manhã toda aguardando a cirurgia, ele estava em dieta desde de meia noite, e entrou no centro cirúrgico as 13:05 h. Foram 13hrs de jejum, e ele não pediu nada, não ficou chatinho, nem chorando...nada, passou a manhã inteira sorrindo e brincando. Estávamos sozinhos na enfermaria, e ele fazia muita bagunça, arrastava a cadeira, gritava, dançava...
São esses momentos que fazem a gente perceber que as coisas vão dar certo...isso vai passar.
Chega a hora da cirurgia, e eu não pude entrar com ele...e lá vai o Pedro, sorrindo...e eu fiquei na porta com o coração muito apertado. Foi a hora mais demorada, não sai da porta do centro cirúrgico até ele sair de lá...
E ele saiu, com o cateter já ativado. Na hora em pensei o sofrimento acabou...




Foi apenas uma semana utilizando o cateter, quando na segunda semana, o cateter não fluía mais, não conseguiam colher o sangue. E de tanto insistirem, os pontos se romperam... O Pedro gritava. Tiveram que colher sangue periférico ( na veia mesmo ) e tentaram 12 vezes. Fui no meu limite.
Peguei meu filho e disse: " Chega, ou arrumam isso ou colocam outro, assim não vai ficar, e ninguém vai furar meu filho . Agora Chega"

Pode até parecer que eu deixava aquilo acontecer, não preciso de ninguém pra dizer porque eu deixei...era necessário, a vida do Pedro dependia daqueles medicamentos. Era um mal necessário, e foi os piores momentos da minha vida. Doía na alma, machucava meu coração, me fazia sangrar.

O Pedro foi novamente para o centro cirúrgico. O certo seria trocar o cateter, mas o cirurgião disse que o cateter do Pedro não iria ser trocado, e que não era pra utiliza-lo até os pontos cicatrizarem, além disso, não seria mais possível colher sangue pelo cateter, apenas colocar medicamento.
E foi 1h20min aguardando o Pedro sair, só que quando ele entrou, ele entrou chorando, me olhando e me chamando com a mãozinha...Foi dificil deixar meu filho sozinho.
Terminou a cirurgia, o Pedro saiu muito agitado, gritando muito, o cateter estava ativado, ele recebeu a medicação...foi desativado.
As médicas nos deram uma semana em casa, porque não tinha como colher sangue do Pedro, nem colocar medicamento, o cateter não podia ser utilizado e era impossível colher periférico.
Foi a melhor semana...estávamos na nossa casa, com a nossa família, muito denguinho pra ele, e nada de furação...Desde quando tudo começou, ainda não tinha visto meu filho tão feliz !





                         Pedro e Mamãe, minutos antes da cirurgia no corredor do IPPMG






                                          Aguardando a cirurgia, e fazendo muita bagunça




Foi uma semana sem colher sangue...até então eu não entendia, mas uma boa noticia estava por vir...


( continua...)

4 comentários:

Kamila Marques. disse...

O sorriso mais lindo que já vi na minha vida...

Babalu disse...

Ola
Estou muito emocionada com sua história..fico aqui imaginando vc tendo que segurar seu filho toda hr que querem tirar sangue e não consigo conter as lágrimas!Eu já chorei com a minha filha pq não aguentei ver ela sofrer com a agulha! Vc e o Pedrinho são guerreiros de verdade!Força pra vcs que tudo vai dar certo!Fica com Deus!

rubia dias disse...

QUE DEUS ESTEJE SEMPRE DO LADINHO DO PEDRO E QUE COM FE TUDO IRA DAR CERTO!

Tayza Tainá Souza disse...

Tenho tatuagens recentes msm assim posso ser doadora?
Regina Lopes!
Lagoa Da Prata MG